Corrupção » Política » Rio de Janeiro
Governador Wilson Witzel é citado em delação premiada

Além de Witzel, outros políticos também foram delatados

10/01/2020 17h47

Segundo o site Terra, o governador do Rio de Janeiro Wilson Witzel foi citado em delação premiada do empresário Daniel Gomes da Silva, que tinha contratos na área de saúde em Paraíba e no Rio. Ainda de acordo com a publicação, a delação já foi homologada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ).

De acordo com Daniel, Witzel teve caixa dois de campanha nas eleições de 2018. Além do governador, Cândido Vaccarezza (Avante) e Leonardo Picciani (MDB) também foram citados.

Um dos anexos da delação se refere a um suposto caixa dois de R$115 mil reais para a campanha de Witzel. De acordo com o empresário, Robson dos Santos França, o Robinho, então assessor do senador Arolde de Oliveira (DEM), que já foi secretário de transportes do Rio, se apresentava como intermediário e arrecadador da candidatura.

“Me recordo que naquele ano, Robson me ajudou a receber de maneira mais célere créditos junto àquela Secretaria”, afirmou o lobista.

Daniel diz que tinha uma “relação de confiança” com Robson e teria tratado “em diversos períodos eleitorais sobre ajuda financeira”. “Assim aconteceu à época em que ele trabalhou nas campanhas do Arolde de Oliveira à deputado federal e, ainda, quando ele trabalhou na campanha do Antônio Pedro Índio da Costa à Prefeitura do Rio de Janeiro no ano de 2016, logo após assessorá-lo na Secretaria Municipal de Urbanismo, Infraestrutura e Habitação da Prefeitura no governo de Marcelo Crivella”.

O delator ainda afirma que foi procurado pela campanha de Witzel em outubro de 2018, no segundo turno das eleições, para dar dinheiro para o então candidato ao governo do Rio de Janeiro. As conversas foram feitas, em parte, via WhatsApp e as conversas foram entregues à Procuradoria-Geral da República (PGR).

Procurado pela reportagem do site Terra, o Núcleo de Imprensa do Governo do Estado do Rio de Janeiro afirmou: “Robson dos Santos França, assessor do senador Arolde de Oliveira citado na referida delação, não trabalhou na campanha do governador Wilson Witzel; todas as informações sobre a campanha foram prestadas à Justiça Eleitoral e as contas foram aprovadas pelo Tribunal Regional Eleitoral; a campanha de Wilson Witzel não teve caixa dois e o governador condena tais práticas”.

Os outros citados não foram encontrados pela reportagem.

Jornalista formado pela UniverCidade, pós-graduado em Sociologia, Política e Cultura pela PUC-Rio. Formado em cinema pela New York Film Academy. Um liberal de direita que luta desde sempre pelos ideais que acredita.