Paraná
Frota de ônibus de Curitiba terá reconhecimento facial ainda em 2020

Além do reconhecimento facial, outras novidades relacionadas a pagamento e integração foram anunciadas.

23/01/2020 23h50 - Por Guilherme Livoti

O sistema de ônibus de Curitiba, que atualmente transporta cerca de 1,23 milhão de passageiros por dia, já é conhecido por todo o Brasil por ter sido a primeira cidade a utilizar as “estações tubo” e os ônibus biarticulados no país, mas algumas inovações anunciadas nessa semana estão chamando atenção.

As inovações foram anunciadas na última terça-feira (21) pelo prefeito Rafael Greca (DEM) e pelo presidente da Urbs. Além do sistema de reconhecimento facial, outras inovações também foram anunciadas:

  • Biometria Facial: reconhecerá a face para evitar fraudes na utilização dos cartões de estudantes e de isentos;
  • Integração entre linhas: permitirá que os passageiros troquem de linha com o pagamento de apenas uma tarifa;
  • Integração temporal: permitirá a troca de linhas com o pagamento de apenas uma tarifa, desde que em um determinado período;
  • Interoperabilidade entre sistemas metropolitanos: para que os usuários de outros sistemas metropolitanos possam utilizar apenas um cartão para pagamento da tarifa;
  • Aplicação da tarifa diferenciada: para facilitar a cobrança de tarifa diferenciada em determinados horários do dia;
  • Venda de créditos por aplicativos;
  • Pagamento da tarifa com o celular: por meio da tecnologia NFC;
  • Pagamento com cartões de débito e crédito;
  • Operação com cartões cipirse: esses modelos oferecem mais segurança, mas os cartões atuais continuarão válidos e serão substituídos gradualmente;
  • Gestão da frota: modernização do sistema de gestão da frota.

O prefeito Rafael Greca destacou as medidas: “A inovação é aliada importante do nosso sistema de transporte e facilitará o cotidiano dos curitibanos, que poderão trocar de ônibus fora dos terminais e estações-tudo sem ter que pagar uma nova passagem”.

Sem dúvidas, as inovações parecem excelentes, mas já repararam como essas coisas costumam ser viabilizadas apenas no último ano de mandato?

Fonte: Gazeta do Povo.

Leia também: