Corrupção
FRAUDE NA CEB! Polícia estima R$ 600 milhões em prejuízo

Esquema criminoso parece ocorrer há 10 anos

16/01/2020 09h02 - Por Jonas Fernandes

Nesta terça-feira (14), foram cumpridos mandados de prisão temporária e de busca e apreensão na sede da Companhia Elétrica de Brasília (CEB) — do Setor de Indústrias e Abastecimento (SIA) —, entre outros locais, em busca de provas contra os suspeitos de corrupção na estatal.

A segunda fase da Operação Apate (na mitologia grega, o espírito que personifica o engano, o dolo e a fraude) investiga funcionários por dar aparência lícita a atos ilegais na administração da empresa.

Segundo apuração policial, as operações ilícitas consistiam na transferência das titularidades das dívidas de pessoas físicas ou jurídicas para o nome de indivíduos (geralmente próximos ao devedor) não constados no sistema da CEB. Assim, o fornecimento de energia não era interrompido e o débito passava para um nome “fantasma” nos cadastros da empresa.

“Eram débitos na faixa dos R$ 300 mil, e os funcionários da CEB cobravam um percentual alto da dívida para fazer a transferência de titularidade”, denunciou o delegado Adriano Chaves Valente, da Divisão de Repressão ao Crime Organizado (Draco), que também investiga o caso.

A operação teve início em 2019 e em sua primeira fase expediu 19 mandados de prisão temporária. A PCDF estima R$ 600 milhões em dívidas não pagas.

A CEB se pronunciou sobre o assunto. Em nota, a Companhia Energética de Brasília disse:

Como foi noticiado na manhã de hoje, a Polícia Civil do Distrito Federal – PCDF deflagrou a segunda fase da operação Apate, que tem como objetivo investigar a suposta prática de fraudes que geram lesão com prejuízos à CEB-Distribuição.

A Empresa segue cooperando com o trabalho da PCDF e do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios – MPDFT, que tem por objetivo determinar a autoria e materialidade dessas ações ilegais, e aguarda o decorrer das investigações.

Em relação ao valor de R$ 600 milhões, mencionado em algumas matérias veiculadas sobre a deflagração da segunda fase da operação, importa esclarecer, novamente, que este montante representa o total histórico de dívidas registradas e vencidas de clientes junto à CEB, e não o total desviado pelos supostos criminosos investigados pela operação conjunta da PCDF com o MPDFT na manhã de hoje.

É importante corrigir a informação equivocada que vem sendo veiculada, posto que o montante supostamente desviado pelos criminosos ainda não foi determinado. Em relação à transferência de titularidade sem a devida quitação do débito, os valores serão apurados no decorrer das investigações.

A atual gestão segue firme na recuperação da CEB-Distribuição, seja para evitar fraudes como estas, praticadas por empregados e consumidores que agem em conluio, como também para reduzir o índice de inadimplência, ligações irregulares ou outras formas de lesão à saúde econômico-financeira da Companhia.


Fonte: G1