Pará
Força-Tarefa que atua no Pará tem seu comandante indiciado

Governo do estado afirma que, se de fato for comprovado que houve irregularidade, o comandante Rottava deve ser responsabilizado.

22/01/2020 08h28

O comandante da Força-Tarefa de Intervenção que atua no Pará, Maycon Cesar Rottava, por determinação de Jorge Ferraz de Oliveira Junior, juiz federal responsável pela 5ª Vara da Seção Judiciária do Pará, foi elevado ao posto de réu e será investigado em processo, que apura se ocorreu violência contra os detentos por parte da Força-Tarefa, aberto pelo Ministério Público do estado do Pará.

comandante Maycon Cesar Rottava . Fonte: Folha BV.

Segundo o Departamento Penitenciário Nacional (Depen): “O processo segue o fluxo conforme determina a legislação e, caso seja comprovada irregularidade, o servidor será responsabilizado conforme a lei”. Segundo o G1, ao requisitar do Depen uma declaração do comandante Rottava, nada foi obtido até o momento.

Já segundo o juiz federal, que indiciou o comodante, “há elementos probatórios que indicam a prática de violência contra pessoas custodiadas em unidades penitenciárias paraenses durante o período de atuação da FTIP/PA, os quais se harmonizam com os relatos de agressões por parte de agentes públicos federais”.

Em nota, o Governo do Estado afirma que se for comprovado a irregularidade, o comandante Rottava deve ser responsabilizado.

Em julho de 2019, a força-tarefa penitenciária chegou ao estado do Pará, por intermédio do ministro da Justiça, Sérgio Moro, o ministro atendeu ao pedido feito pelo governador do estado, Hélder Barbalho (MDB).

A chegada da força-tarefa ocorreu durante um confronto entre facções de detentos no município de Altamira, sudoeste do Pará, o confronto gerou a morte de dezenas de detentos Após tal fato, foi determinada uma prorrogação de mais 60 dias de atuação da força-tarefa.