Coronavírus
Confusão: Ibaneis diz que hospitais não possuem estrutura para atender toda a população contra o Coronavírus

Apesar de ter dito no dia 26 que o DF estava “preparado” para combater o vírus, discurso mudou nesta quarta-feira

12/03/2020 08h00 - Por Jonas Fernandes

Nesta quarta-feira (11), durante cerimônia de inauguração do ponto com estrutura para taxistas no Aeroporto de Brasília, o Governador do DF, Ibaneis Rocha (MDB), deu sua opinião acerca da situação atual do Coronavírus no DF.

“Nós não temos estrutura hospitalar para tratar toda uma população. Então, nós temos que tomar muito cuidado. Não é todo mundo correr para o hospital. Nós temos que avaliar caso a caso. O caso hospitalar é só naqueles que realmente houver uma doença respiratória avançada. É esse o protocolo que está acontecendo em todo mundo”, cerceou o governador.


A declaração é polêmica devido ao fato de que Ibaneis declarou, no dia 26 de fevereiro, que o DF estava preparado para combater o Coronavírus:

“Estamos preparados para enfrentar essa doença. Desde que o governo federal anunciou que Anápolis (GO) receberia os brasileiros repatriados com suspeita de contaminação, decidimos nos antecipar e preparar toda a rede pública para receber os pacientes que se enquadram no protocolo de suspeita […] hoje, temos o Hran [Hospital Regional da Asa Norte] como unidade de referência e ainda o suporte do HFA [Hospital das Forças Armadas], com toda a expertise necessária para o pronto-atendimento.”


Nota do autor:

O problema é que o “caso hospitalar”, de doença respiratória avançada mencionado pelo governador não é o motivador das idas ao hospital por parte dos brasilienses.

A principal causa é a necessidade de a pessoa com a suspeita do vírus descobrir se está contaminada ou não.

A prova disso é a própria situação do HRAN, conforme noticiado terça-feira (10), na qual pacientes com a suspeita do vírus estão na ala de isolamento sem atendimento, sem remédios, sem macas, em contato com outras pessoas que podem estar, de fato, contaminadas.

Que papelão hein…


Fonte: Metrópoles e G1