fbpx
São Paulo
Câmara de Vereadores de Mongaguá aprova empréstimo milionário

A Câmara aprova empréstimo de 28,6 milhões de reais através do programa FINISA, da Caixa Econômica Federal, população e Mbl Mongaguá se manifestam contra.

01/10/2019 13h23 - Por Fernando Martinelli

(Foto:Mbl Mongaguá)

Na sessão tumultuada, por conta das manifestações populares organizadas inicialmente pelo núcleo do MBL de Mongaguá, desta segunda-feira (30), a Câmara de vereadores aprovou, por oito votos a quatro, um empréstimo no valor de R$ 28.600.000,00, através do programa FINISA (Financiamento à Infraestrutura e ao Saneamento).

O MBL de Mongaguá se manifestou de forma contrária nas redes sociais e convocou uma manifestação que ocorreu durante a sessão. A população utilizou bexigas, “línguas-de-sogra” e narizes de palhaço.

(Foto:Mbl Mongaguá)

Durante a leitura do projeto, as pessoas que acompanhavam a sessão, se levantaram e cantaram o Hino Nacional, fazendo com que a sessão fosse suspensa por dez minutos.

No projeto, o prefeito, Marcio Cabeça (PRB), informou, de forma vaga, que os recursos serão destinados à realização de obras de infraestrutura, compreendendo pavimentação de vias públicas e obras de requalificação urbana.

Argumentou, ainda, que o empréstimo é necessário para amenizar a atual recessão (que em Mongaguá surgiu sob sua administração).

Durante a sessão, os vereadores de oposição defenderam que este empréstimo é um absurdo, e lembraram a frase do Cabeça enquanto vereador, em 2012, que dizia que o empréstimo de R$ 12 milhões, solicitados pelo então prefeito Paulinho, era um estelionato fiscal, pois ficaria para outras administrações pagarem, e a cidade teria dificuldades de fazê-lo. À época o empréstimo também foi aprovado e o pagamento das parcelas de quase R$500 mil mensais terminou no ano passado.

O presidente da Câmara, Carlos Cafema (PRP), se posicionou de forma contrária ao projeto, mesmo não votando.

Os vereadores que votaram favoravelmente são Ari da Operária (PP), Baianinho (MDB), Carlão da Imobiliária (PDT), Cláudio Arena (PRP), Guilherme Prócida (PSDB), Guinho (PRP), Raniedson (SD), e Zé Pedro (PPS). O que foram contra são Rodrigo Casa Branca (PSDB), Professor Alex (PSB), Léo Soares (DEM), Luciano Lara (PTN).