Rio Grande do Sul
Câmara de Caxias avaliará cassação de vereador que jogou tijolo na casa do vizinho

Rafael Bueno responde processo na Justiça e pode perder mandato por atirar #tijolinho na casa do vizinho.

11/02/2020 06h00 - Por Camila Greff

Nesta terça-feira (11), pela manhã, será apreciada a admissibilidade do pedido de impeachment protocolado ontem (10) na Câmara dos Vereadores de Caxias do Sul, por Rodolfo Pereira Valim Júnior, contra o vereador Rafael Bueno (PDT). A denúncia se baseia em fato ocorrido em 2016, quando o parlamentar discutiu com um vizinho, Antônio Sachet, e arremessou um tijolo contra a sua casa.

O caso foi parar na Justiça, e Bueno foi condenado pelo 1º Juizado da 6ª Vara Cível de Caxias, a pagar uma indenização de R$ 10 mil a título de danos morais ao vizinho agredido. De acordo com o processo, enquanto servidores municipais pintavam uma faixa de trânsito em frente à residência da vítima, o vereador apareceu e começou a xingá-lo, atirando um tijolo, na sequência, contra a casa e danificando cerca elétrica e pintura. Bueno também teria tentado atropelar Sachet e incitado a população contra ele pelas redes sociais.

Valim Júnior, autor do pedido de cassação contra Bueno, também já protocolou pedidos contra o atual prefeito Flávio Cassina (PTB) e seu vice Elói Frizzo (PSB). Ele é o presidente da Associação de Moradores do Bairro Mariland. Contra Bueno, Valim Jr. argumenta que o vereador feriu a dignidade e o decoro de seu cargo público. Alem da cassação, ele requer que seja oficiado à Delegacia de Polícia Federal solicitando informações sobre a abertura de inquérito para apurar crime de ódio do vereador contra Sachet, ao utilizar internet e aplicativos de redes sociais para propagar ofensas.

Rafael Bueno, que está em Brasília, enviou o seguinte comunicado: “Enquanto algumas pessoas perdem tempo trazendo assunto sem qualquer interesse público ao Legislativo, o qual estou resolvendo na Justiça, porque ainda não transitou em julgado, sigo em Brasília peregrinando em gabinetes de deputados, senadores e ministérios para trazer recursos para hospitais que atendem pelo SUS e entidades assistenciais, como Apae e Helen Keller“.

Fonte: Portal Câmara Municipal de Caxias do Sul e Jornal O Pioneiro.