Rio Grande do Sul
Banheiro é lugar de ativismo?

Segundo o governador do RS, Eduardo Leite, banheiro é local de ativismo e “quebra de preconceitos”.

29/01/2020 06h56 - Por Gabriel de Oliveira

O governador do RS, Eduardo Leite, prepara a apresentação do projeto “Banheiro sem preconceito”, que visa a criação de banheiros unissex em locais públicos, agregado a placas com frases como “entre onde se sentir a vontade”, afixadas nos prédios das secretarias. Ao que parece, Leite não considera que banheiros sejam apenas locais para a realização de necessidades fisiológicas e higiene pessoal. Para o Governo, a medida tem o condão de “quebrar preconceitos” quanto a questões de gênero.

Infelizmente, o Governo parece tratar como pífia a segurança de mulheres que podem estar sujeitas a assédio, de crianças expostas à ação de pedófilos, e de outros aproveitadores que acabam se valendo dessa pauta para cometerem abusos. Afinal, segundo a ideologia de gênero e as frases propostas nos banheiros femininos e masculinos, fica a critério de quem quer que seja, a utilização de ambas as opções independente das motivações reais ou características físicas.

Eduardo Leite cria um projeto tão ridículo, afim de tratar com populismo as questões de privacidade e segurança de pessoas, afim de tentar atrair a atenção de simpatizantes e integrantes dos grupos LGBT. Tanta coisa para gerar inclusão e quebra de preconceitos, justamente no banheiro tem que haver isso? A situação econômica do estado deve estar indo “muito bem” para a proposição de projetos tão relevantes como esse.