Minas Gerais
(Análise) Lenin foi pior que Hitler?

Afinal é certo condenar Adolf Hitler e elogiar Vladimir Lenin mesmo sendo os dois ditadores sanguinários

22/01/2020 17h32 - Por Ivan Gunther

Um discurso proferido pelo ex-secretário de cultura do governo, imitando e parafraseando Josef Goebbles, incendiou o debate sobre o nazismo, e poucos dias depois celebrações do aniversário da morte de Lenin promovidas pela esquerda colocaram esse personagem em evidência no debate nacional. Afinal é certo condenar Adolf Hitler e elogiar Vladimir Lenin mesmo sendo os dois ditadores sanguinários?

Os dois ditadores compartilhavam de ideologias muito parecidas, Adolf Hitler instaurou o nacional-socialismo, que chamamos nazismo, na Alemanha. Lenin por sua vez instaurou o socialismo na Rússia que veio a se chamar União Soviética, e inclusive é importante lembrar que o socialismo soviético tinha como uma de suas principais características ser um movimento internacionalista, que levaria a revolução do proletariado aos outros países. As semelhanças entre as duas ideologias contudo não se reduzem apenas aos seus nomes, pois suas raízes filosóficas são praticamente as mesmas.

O nazismo e o socialismo são ideologias baseadas no coletivismo de Friedrich Hegel, e em sua visão histórica de que a humanidade caminharia inevitavelmente na direção de um suposto progresso. Uma das maiores influências de Hitler na formulação do nacional-socialismo foi o economista alemão Werner Sombart, que era um grande entusiasta do marxismo e em seus trabalhos explorava uma suposta correlação perversa entre os judeus e o capitalismo. As ideias contrárias ao livre comércio que prosperaram tanto na URSS como na Alemanha Nazista tem como um de seus principais influenciadores o economista Friedrich Liest que embasado em ideias mercantilistas, como a balança comercial, pregava que o comércio seria como um jogo de soma zero em que para uma nação ganhar outra deveria necessariamente sair perdendo. E mesmo que tais ideias já tenham sido refutadas por economistas e filósofos como David Ricardo e Richard Cantillon elas ainda são defendidas por pessoas interessadas em aumentar o poder estatal.

A diferença mais relevante entre as duas ideologias, que inclusive tem sido citada em exaustivamente no debate público brasileiro, é que enquanto o nazismo é um tipo de coletivismo baseado em raça o socialismo é baseado em classes, seguindo a divisão marxista entre proletários e burgueses. Portanto, a utopia nazista tem como característica inerente o extermínio das raças impuras enquanto no socialismo é possível acabar com a burguesia sem necessariamente promover um extermínio em massa. Aqueles que insistem em defender o socialismo diante do nazismo então se apegam ao argumento de que enquanto a intenção do nazismo é indiscutivelmente perversa o socialismo tem uma boa intenção que apenas foi deturpada.

O problema de analisar ideologias por suas intenções é que qualquer atrocidade por mais perversa e aviltante que seja pode ser justificada em nome do bem comum. Por isso é necessário analisar as consequências de tais ideias e não apenas as intenções utópicas, e quando fazemos isso é difícil diferenciar o socialismo do nacional-socialismo. Em todos os países onde o socialismo foi instaurado aconteceram eventos de extermínio em massa muito semelhantes ao holocausto, com inocentes sendo fuzilados e pessoas sendo mandadas para trabalhar em campos de concentração onde acabavam morrendo de fome ou de doenças. Assim como no nazismo a perseguição a opositores do regime e o cerceamento da liberdade de expressão são características presentes em todos os regimes socialistas na história da humanidade. Portanto mesmo pregando utopias diferentes as o nazismo e o socialismo tem consequências muito semelhantes.

Com seu reinado de terror encerrado em 1945 as consequências das ações de Adolf Hitler podem ser restringidas às mortes na segunda guerra mundial, que somaram perto de 75 milhões incluindo as próprias forças do Eixo. Já as consequências da revolução de Lenin perduram até hoje, pois além das dezenas de milhões de pessoas mortas diretamente pelo regime é impossível ignorar todos os regimes socialistas que chegaram ao poder no mundo com apoio da URSS e em seus respectivos países promoveram as mesmas políticas de extermínio. 65 milhões foram mortos na China, 2 milhões foram mortos na Coreia do Norte, ao todo estima-se que mais de 100 milhões de pessoas tenham sido mortas por regimes socialistas no mundo todo.

Além do número bruto de mortes é necessário também analisar as consequências econômicas e sociais de cada uma dessas ideologias. Após o nazismo ser derrotado a Alemanha conseguiu se reerguer tornando-se uma nação próspera com um IDH elevado em uma qualidade de vida muito acima da media para sua população. Já os países em que o comunismo foi instaurado as consequências foram a miséria, a falta de liberdade e o subdesenvolvimento, para efeito de comparação consideremos o regime da Coreia do Norte em que 2 milhões foram mortos mas 25 milhões vivem em estado de absoluta escravidão e miséria. O socialismo de Lenin causou cem milhões de mortes ao redor do mundo, e jogou bilhões de pessoas num estado de miséria e escravidão e privação de liberdade no último século.

Dizem que Hitler é melhor que Lenin é algo impensável, afinal para isso seria necessário dizer que existe algo de bom em Hitler, o que é impensável para qualquer pessoa decente. Cultuar figuras de ditadores não vai trazer nada de bom para o debate político brasileiro, e esse conselho serve tanto para alguns setores minoritários da direita que veneram Augusto Pinochet como para grandes partidos de esquerda como o PSOL que decidiram celebrar a memória de Lenin.