fbpx
São Paulo
A epidemia de buracos na maior cidade da América Latina

Mesmo com o programa Asfalto Novo, número de queixas de buracos atinge recorde no primeiro semestre de 2019 sob gestão de Bruno Covas;

11/09/2019 00h14 - Por Rodrigo Gaensly

(Foto: ICARROS)

Por mais que a Prefeitura de São Paulo tenha eleito o programa Asfalto Novo como uma de suas promessas, os números assustam. Foram registradas 78.979 queixas de buracos através do canal 156, serviço de atendimento do órgão. O número quase dobrou se compararmos com o mesmo período de 2018, 46.519 queixas, o que torna o problema ainda mais alarmante.

A situação é tão grave que o Ministério Público abriu inquérito para investigar a estrutura e as estratégias para combate aos buracos nas ruas e calçadas do município. O inquérito civil instaurado pela Promotoria de Justiça de Habitação e Urbanismo da Capital tem como responsável a promotora de Justiça Denise Cristina da Silva, a qual levou em consideração o anúncio feito pelo executivo municipal de que implementaria um programa de reparo para os 38 mil buracos catalogados na capital paulista.

A promotora destaca ainda que “o problema dos buracos em São Paulo é tema de várias representações feitas por cidadãos junto à Promotoria, e que irregularidades existentes em vias públicas se relacionam diretamente com a segurança da coletividade e dos indivíduos na circulação diária de veículos”.

Não bastasse, as contas do TCM (Tribunal de Contas do Município) apontam prejuízo de R$ 2 milhões aos cofres públicos gerado por erros na administração e má execução de serviços prestados para obras na zona leste da capital. Os contratos foram assinados durante a gestão do ex-prefeito João Dória (PSDB) e realizados, em sua maioria, por seu sucessor, Bruno Covas (PSDB).

O TCM destacou, entre outros problemas, erros ao calcular o número de profissionais necessários e materiais de pavimentação e transporte. A Prefeitura negou, por nota, que o programa tenha causado tal prejuízo e destacou desconhecer qualquer conclusão do TCM apontando tais irregularidades.


Revisores: Felipe Donadi, Cynthia Capucho, Mafê Leonetti Rodrigues