Segurança
A crescente violência no estado do Acre e os pedidos de intervenção federal

Com a crescente violência cidadãos do estado do Acre se questionam com uma possível intervenção federal.

20/01/2020 11h18

Assaltos a trabalhadores, invasão a propriedade privada, vingança que resulta em mortes de inocentes e claro crueldade contra os indefesos. Isso resume o que os cidadão do Estado do Acre estão passando. Enquanto o governo do Estado se importa em ter gastos desnecessários com relíquias de dinossauros, as forças de segurança do Estado do Acre não tem o mínimo de estrutura possível para trabalho. Já foram registrados casos de traficantes que possuem AK 47 (arma de fabricação russa), nossos políciais sofrem com armamentos que não possuem munição suficiente para uma troca de tiro com bandidos com mais de 30 minutos. Falando em Armas, essas que de perto de um Fúzil parecem brinquedo. Soa como irônia, mas é a pura realidade.

Mais de 30 Homicídios são registrados em Rio Branco nesses primeiros 20 dias, e por coincidência 20 crimes nos municípios do interior do estado onde as facções predominam e comandam a hora de entrar e sair de famílias inocentes.

Desde 2017 esse tema “intervenção federal” soa como vento nos ouvidos e na boca da população acreana mas esses dias com o grande aumento da violência a população vem se perguntando a viabilidade de uma intervenção federal.

Uma petição até foi criada e já chegou a 1.000 assinaturas para que a União intervenha na segurança do estado do Acre, o governo estadual não se manifestou oficialmente mas segundo o jornal Ac24horas o secretário de segurança do Acre Paulo César dos Santos se manifestou dizendo que: “intervenção federal é irrelevante”.