Israel Russo
Jornalista e professor de filosofia.
Os racistas em 'desconstrução'
Querem combater o racismo com os mesmos pressupostos usados em teorias racistas no passado

Agora a nova moda dos justiceiros sociais é postar fotos dizendo que são "racistas em desconstrução". A campanha envolve algumas personalidades da esquerda progressista que dizem lutar contra o racismo, mas para isso se utilizam de vários argumentos racistas.

Fábio Porchat
Fábio Porchat (Reprodução/TV Globo)

Os movimentos sociais que pretendem combater o racismo perdem aos poucos seu caráter político e se aproximam cada vez mais de uma devoção religiosa. O pecado imperdoável e condenado por essa nova onda é o fato de ser branco.

A lógica boçal de que "se branco, então racista" pegou direitinho os paladinos da virtude e da nova moral justiceira, eles precisam desesperadamente mostrar redenção, tentando se antecipar na luta para se colocar como um sujeito evoluído.

O Brasil é um país tão atrasado que até suas elites são burras e hipócritas, especialmente a elite artística. Sedentos por ocupar uma cadeira no tribunal do novo mundo, fazem o que podem para terem aprovação, inclusive pedir desculpas por ser branco.

Primeiramente, pressupor que uma pessoa tem um conceito ou pensamento a priori única e exclusivamente por causa da cor da sua pele, é uma forma clara de racismo. Essas ideias nada científicas têm a mesma estrutura do raciocínio desenvolvido por teóricos racialistas como Arthur Gobineau e Houston Stewart Chamberlain, nomes que deram bases para o nazismo.

Nenhuma pessoa pode ser considera racista somente por sua cor de pele, é até catastrófico, intelectualmente falando, ter que fazer essa exposição. O racismo no país que foi considerado por Gobineau como "perdido" devido à miscigenação atua em conjunto contra esse crime, o maior exemplo é o apoio recebido por Matheus, o motoboy que foi humilhado por um racista.

Querer elaborar uma estrutura social de consciência coletiva racista em um dos países mais miscigenados do mundo é um deserviço e uma contribuição para a divisão entre as pessoas baseada na cor da pele.

Caso você seja branco, homem e hétero, não deve pedir desculpas por algo que não tenha feito, ou pior ainda, que seus antepassados fizeram e você não teve participação nenhuma. Tais elites vivem em uma realidade paralela, que fiquem por lá com suas teorias obtusas.

Você está sendo roubado! O sistema usa o seu dinheiro, abusa de privilégios e cria leis para se blindar. O MBL vai na contramão desse sistema, lutando contra o Foro Privilegiado, Fundão e na defesa da prisão em segunda Instância e reformas. A batalha é desequilibrada, nós só podemos contar com você. Doe para o MBL clicando aqui.
continua em outra matéria