Dainese
Professor, Engenheiro e Coordenador do MBL na cidade de São Paulo.
PT e Bolsonaro: duas faces da mesma cédula de três reais

A falsa assimetria entre dois governos que prometeram a mudança e entregaram farra com dinheiro público, corrupção e cargos para o centrão.

Fonte: Gazeta do Povo.

O ano era 2002: O brasileiro, cansado da corrupção e das más medidas dos governos anteriores, do PSDB, PMDB (atual MDB) e do PRN (atual PTC), resolveu dar uma chance para o então candidato Lula. No poder, o que ele fez foi imprimir dinheiro e tentar executar um projeto absurdo de “welfare state” à lá Partido dos Trabalhadores. E claro que com o povo pagando a conta – esta cada vez mais alta – enquanto o partidão enfiava a mão nos cofres públicos e fazia acordos criminosos com empreiteiras para se beneficiar e se perpetuar no poder. No governo Dilma não foi diferente, além dos crimes por ela cometidos.

Ajude a manter o MBL na luta!

Em 2016, o resultado daquele cenário ficou evidente: um Brasil com pouca credibilidade internacional, mas com viés de mudança por parte da sociedade civil, que acabara de derrubar uma presidente criminosa. A derrocada de Dilma Roussef, seguida pela ascensão do seu vice, então presidente da República Michel Temer, culminou na organização de diversos setores da sociedade civil – no geral a direita e partes do centro – para fiscalizar o governo federal veementemente e disseminar o discurso da queda da esquerda em conjunto com o discurso das virtudes do pensamento de direita internet adentro.

Justamente com relação à essas virtudes, Jair Messias Bolsonaro falhou. E falhou miseravelmente em apenas um ano e meio de governo. Combate à corrupção? Moro demitido. Difusão das ideias conservadoras? Weintraub arruína o já tão judiado sistema de ensino do Brasil. Ala Militar? Só se for dentro do governo: 2.930 militares ocupando cargos nos Três Poderes. Meio ambiente? Sendo arruinado pelo ministro Ricardo Sales. Não podemos esquecer que o Brasil foi o único país que teve 3 ministros da saúde durante a pandemia de coronavírus. Mas e o liberalismo econômico?

É no âmbito do liberalismo que é possível demonstrar praticamente como Bolsonaro não só está sendo péssimo, como está sendo pior que o PT. E como algum diabo nesse mundo poderia ser pior que o PT? Simples: Ele imprimiu consideravelmente muito mais dinheiro do que o PT! Abaixo temos um gráfico de base monetária do Brasil (M1) – brazillian money supply (M1) – que mostra em vermelho o período em que tínhamos governos do PT – Lula e Dilma – e em verde o período do governo Bolsonaro.

Fonte: https://take-profit.org/en/statistics/money-supply-m1/brazil/

Todo bom liberal, libertário, conservador, centrista e até mesmo alguns esquerdistas sabem que impressão de dinheiro é uma puta furada. Em poucas palavras, basicamente significa que se haviam 10 circulando na economia, e agora existem 20, o preço de um produto que antes custava 5 tende a custar 10 – Se a oferta monetária dobra, os preços dos produtos se elevam junto até quase dobrar.

E o que Bolsonaro mais fez durante o governo? Vamos analisar o gráfico: O PT durante os 14 anos e meio de governo imprimiu 235 bilhões, contando governo Lula e Dilma. Bolsonaro imprimiu 100 bilhões em 1 ano e meio. Em média, os governos do PT imprimiram 16,2 bilhões por ano, enquanto o governo Bolsonaro imprimiu 66,6 bilhões por ano. Que tipo de liberal é Paulo Guedes? Parece que estão normalizando a impressão de dinheiro. E sabe qual a consequência dessas atitudes? Inflação aumentando, até chegar num ponto em que a economia fique insustentável.

Todos conhecem a história no período pós ditadura militar, período da redemocratização com superinflação – 1988-1989 – e não queremos que aquilo volte a acontecer, não é mesmo?

Você está sendo roubado! O sistema usa o seu dinheiro, abusa de privilégios e cria leis para se blindar. O MBL vai na contramão desse sistema, lutando contra o Foro Privilegiado, Fundão e na defesa da prisão em segunda Instância e reformas. A batalha é desequilibrada, nós só podemos contar com você. Doe para o MBL clicando aqui.
continua em outra matéria