Dainese
Professor, Engenheiro e Coordenador do MBL na cidade de São Paulo.
Por que vocês não falam do Doria?

A pergunta de um milhão de reais dos chatos bolsonaristas que se autoproclamam 30% da sociedade civil – claramente superestimando sua representatividade, divulgada através das lideranças por trás dos famosos “gabinetes do ódio” que propagam fake news – é: Por que vocês falam tanto do Bolsonaro e não falam do Doria?

https://istoe.com.br/coronavirus-governador-joao-doria-decreta-quarentena-em-sp-por-15-dias/

Então, dedico este artigo a falar das presepadas cometidas pelo nosso governador durante a pandemia. Governador este eleito sob ideais “de direita” e “liberais” que, assim como durante a campanha de Bolsonaro, foram defendidos veementemente durante a sua campanha. Vamos falar de João Doria. E não podemos falar dele sem mencionar que durante as eleições de 2018, ao término da contagem de votos do primeiro turno, já tinha jargão de campanha para o segundo turno: “BolsoDoria” – inclusive, com os mesmos motes de campanha de Bolsonaro.

Taí uma semelhança evidente entre eles: Ambos fizeram campanha apoiando ideais liberais, de direita, pró mercado, anticorrupção e reformistas. Após serem eleitos, ambos somente fizeram as engrenagens da mesma máquina rodar. Utilizando-se do mesmo establishment que havia antes, mas desta vez em suas mãos. Os dois alimentam essa máquina pública velha e ineficaz por trás de decisões que visam favorecer quem está no sistema, e mandam a conta para quem está fora pagar. Ter eleito eles dois foi uma espécie de acordo caracu da sociedade civil para com os poderes da república. Querido leitor, você conhece um acordo caracu? Se não, não tem problema, eu te explico: Um acordo caracu é um acordo aonde o governo entra com a cara e o contribuinte entra com o restante.

Mas deixando essas semelhanças de lado, vamos falar sobre o que o nosso governador tem feito durante a pandemia de Coronavírus. Para isso, trago um apanhando de notícias e artigos escritos por fontes mais diversas, e vou comentá-las para mostrar ao leitor que o mesmo pau que bate em Chico, bate em Francisco. 

Começando pelo dia 6/4:

https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2020/04/06/doria-diz-que-pessoas-que-fizerem-aglomeracao-nas-ruas-de-sp-poderao-ser-presas-pela-policia-militar.ghtml

Em tom de ameaça, Doria tenta fazer a sociedade civil ficar em casa. A História já nos mostrou que isso não dá certo, citando como exemplo a Revolta da Vacina, ocorrida em 1904 no Rio de Janeiro, após o governo decretar que os cidadãos seriam obrigados a tomar a vacina da varíola. O melhor método de mostrar para a população que se deve ficar em casa é através da informação de qualidade bem propagada. Coisa que o governo João Doria falhou miseravelmente ao tentar executar no estado de SP. A internet tomou o protagonismo neste aspecto e deixou a máquina estatal no chinelo. Inclusive se existe algum controle sobre a doença hoje, esse controle se deve a internet, através da sociedade civil organizada.

No dia 14/4:

https://www.conjur.com.br/2020-abr-14/doria-questionado-justica-monitoramento-celulares

Doria usa como desculpa o Coronavírus para monitorar os celulares dos habitantes do estado de SP sem o consentimento dos mesmos. Não deveria ser essa uma atitude voluntária por parte da população em prol do bem comum? Deveria o governo intervir na privacidade de ir e vir dos cidadãos de bem pagadores de impostos? Deixo essa resposta para o consciente leitor deste artigo.

No dia 24/4:

https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/eu-estudante/ensino_educacaobasica/2020/04/24/interna-educacaobasica-2019,848119/doria-planeja-retomar-aulas-presenciais-de-forma-gradual-a-partir-de-j.shtml

O grande problema com essa notícia é a forma como a educação foi tratada durante a pandemia. Especialistas em educação de todo o estado dizem que o governo não teve sucesso em ministrar aulas online. Pais e professores reclamam das metodologias adotadas pelo governo, portanto essa retomada não vai ser apenas das aulas, mas do conteúdo programático perdido durante o afastamento dos alunos. Tudo isso foi causado pela má gestão pública da educação, problema recorrente – de amplo conhecimento da sociedade civil – acerca de quando o Estado mete a mão em algo de tamanha importância, como é o caso da educação. E aqui vai o que eu acabei de dizer, em forma de notícia, publicado em 5/5:

https://exame.com/brasil/familias-enfrentam-dificuldades-com-aulas-online-da-rede-publica-de-sp/

Ainda no dia 1/5, foi publicado um artigo comparando a média paulista com a do restante do Brasil:

https://diariodopoder.com.br/claudio-humberto-home/midiatico-joao-doria-fracassa-na-luta-contra-o-coronavirus-em-sp

Este artigo afirma que Doria falhou ao tentar combater o coronavírus no estado de São Paulo através de uma comparação numérica de estatísticas. Seguem trechos retirados do link:

“A taxa de mortalidade média no Brasil, segundo o Ministério da Saúde, é de sete em cada 100 infectados. Em SP, essa taxa é 20,3% maior.”

E

“O governador afirma que o estado é o mais preparado, mas com 21,7% da população do Brasil, SP tem 33,6% dos casos e 40,2% das mortes.”

Indo pelo caminho destas estatísticas podemos dizer que o estado de SP está muito ruim perante a média nacional. Também é importante ponderar que, pelo fato de ser o estado mais populoso da nação, exigiria um maior grau de preparo e maior iniciativa de conscientização e informação da população por parte do poder público estadual. Ações estas explicitamente não observadas na gestão do coronavírus e da educação por parte do governo do estado, o que nos leva a acreditar em uma de duas hipóteses: ou a gestão atual é incompetente para lidar com a crise ou possuiu má fé na administração da mesma. Um bom exemplo disso é a falta de ações mais enérgicas no início do contágio no estado, como por exemplo o tão discutido lockdown.

https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/brasil/2020/05/26/interna-brasil,858410/sao-paulo-nao-tera-lockdown-no-momento-disse-joao-doria-em-entrevista.shtml

Sim caro leitor, você leu um liberal/libertário defendendo essa ação, e vou explicar o meu ponto. Se você faz um lockdown rápido (de duas a três semanas), com a conscientização da população acerca do problema – o que não ocorreu – seria muito menos prejudicial para a economia e pararia a sociedade por muito menos tempo. Ora, se medidas restritivas começaram a ser impostas dia 23/3 e já estamos no dia 23/7, já estamos há 4 meses em casa. Um rápido lockdown evitaria essa parada da economia.

No dia 1/7 Doria anuncia que estamos estabilizando os casos de coronavírus no estado:

https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2020/07/01/estamos-muito-proximos-do-plato-diz-doria-sobre-pico-do-coronavirus-no-estado-de-sp.ghtml

Platô esse que poderia ter vindo mais rápido e com volume menor de mortes no estado. E para finalizar, publicado em 22/7:

https://istoe.com.br/doria-afirma-que-producao-da-vacina-contra-covid-19-pode-comecar-em-novembro/

O leitor sabe que as vacinas sempre são testadas nos lugares com maior propagação do vírus? Pois é, esse é o motivo pelo qual os testes da fase 3 da vacina contra o novo coronavírus estão sendo realizados em SP. Esperamos que a vacina dê certo e esteja disponível o mais rápido possível para a sociedade civil, tanto através do sistema público quanto através do setor privado.

Com maus gestores estaduais, o governo mais uma vez conseguiu fazer o que faz de melhor: Não resolveu o problema e foi empurrando-o para frente. E da mesma forma que uma bola de feno, o problema vai aumentando de tamanho e ficando cada vez maior, e o governo perde o controle. Um exemplo disso foi durante o carnaval, quando o governo decidiu por deixar as aglomerações de rua acontecerem para não prejudicar a festa dos blocos de rua e escolas de samba do estado de SP (será que eles têm alguma ligação política ali dentro?). Muita contaminação que não deveria ter ocorrido, aconteceu, fazendo com que aumentasse substancialmente os casos de coronavírus no estado.

Escolhas como essa mostram que o controle da pandemia realizado pelo governo do estado de SP liderado por João Doria foi sim um desastre. Muitas perdas poderiam ter sido evitadas se medidas enérgicas na direção da correta conscientização da população tivessem sido tomadas. Até quando teremos maus gestores atuando na liderança do estado mais eficiente e produtivo da união? Espero que nos façamos essa pergunta durante as próximas eleições para governador, em 2022.

Mudando de assunto, existe algo muito importante de se notar nessa história toda dentro do governo Doria: A subserviência do prefeito da cidade de São Paulo, Bruno Covas, ao governador. Covas tem feito uma péssima administração de São Paulo e é exatamente sobre isso que vou escrever no próximo artigo.

continua em outra matéria