fbpx
Brasília
Polícia Federal apreende quadros no SCIA

Operação “Circurs Máximus” apura suposto esquema de pagamento de propina no BRB

25/02/2019 13h39

Revisão: Kdu Sena

A Polícia Federal apreendeu na quinta-feira (21) 63 quadros que pertencem a Henrique Domingues Neto e Henrique Leite Domingues, respectivamente, filho e pai, investigados na operação Circus Maximus que apura um suposto esquema de pagamento de propina a diretores e ex-diretores do Banco de Brasília (BRB). A ação ocorreu a pedido do Ministério Público Federal (MPF).

Segundo o MPF, os objetos estavam escondidos em um depósito no Setor Complementar de Indústria e Abastecimento (SCIA), conhecida como Cidade do Automóvel, em Brasília. O valor do patrimônio ainda será calculado pelos investigadores.

Henrique Leite Domingues atuou na direção do BRB e, de acordo com as investigações, usava o cargo para favorecer as empresas do pai.

A força-tarefa do MPF descobriu a existência dos bens após a deflagração da Circus Maximus, no fim de janeiro. Os quadros estavam sob custódia de terceiros, o que em tese dificultaria o andamento das investigações.

No entanto, a propriedade dos objetos pôde ser comprovada no local por meio de documentos encontrados que demonstraram o acerto da custódia do acervo. O pedido de apreensão foi autorizado pela 10ª Vara de Justiça Federal na penúltima sexta-feira (15).Em nota, o advogado Pedro Ivo Velloso informou que as obras são de Henrique Domingues Neto. Para a defesa dos dois, “não se trata de ocultação de patrimônio”.

“Henrique Domingues Neto declarou a coleção em seu imposto de renda e informou o juiz sobre a existência dos quadros. Eles estavam em um storage porque seriam comercializados”, afirmou o advogado.

Fonte: G1

Administrador, Jornalista, Professor e Pesquisador. Graduado em Administração e Comércio Exterior. Pós-graduado em Direito, Docência e Gestão Pública. Mestre em Economia pela UnB.