fbpx
Investigações Especiais
Os calos de Alcolumbre

O presidente do Senado não está de “cara limpa”. Ele possui duas investigações sendo avaliadas pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

04/02/2019 09h51

Davi Alcolumbre foi figura da esperança nas duas sessões preparatórias do Senado Federal (01/02 e 02/02). A marca das sessões foi de um vexame sem precedentes e um alívio pelo insucesso da perpetuação no poder por Renan. Combativo e de postura firme, o senador conseguiu, efetivamente, enfrentar e ganhar de Renan Calheiros na arena mais confortável de seu adversário. Alguns atribuem a vitória pelo auxílio do Planalto, outros pela ruptura do MDB por Simone Tebet. Fato é: Alcolumbre foi eleito pela força popular com auxílio da sociedade civil organizada, especialmente pelo MBL na campanha “anti-Renan”.

Não obstante a vitória, pela derrota da “velha política”, o presidente do Senado não está de “cara limpa”. Ao contrário. Ele possui duas investigações sendo avaliadas pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Estas versam sobre o uso de documento falso, uso de notas fiscais “frias” para prestação de contas, ausência de comprovantes bancários e contratação de serviços posteriores a data das eleições que o senador concorreu. Além de Davi, são alvos da investigação seus suplentes.

O STF, a pedido do Ministério Público Federal (MPF), está apurando o caso que fora arquivado no Tribunal Regional Eleitoral do Amapá sob a relatoria da ministra Rosa Weber. Um dos processos está sob segredo de justiça. Em nota, a assessoria de impressa de Alcolumbre se pronuncia sobre o caso, relata: “Os dois inquéritos estão relacionados à prestação de contas da campanha de Davi Alcolumbre ao Senado em 2014. A prestação de contas foi aprovada pelo Tribunal Regional Eleitoral do Amapá e o MDB recorreu. O senador Davi Alcolumbre está convicto de que, ao final das apurações, restarão todas as alegações esclarecidas e devidamente dirimidas”.

Apesar do alívio de não ter Renan a frente da Casa legislativa é imperativo que o Senador tenha maior proposição em esclarecer as imputações. Desgasta o Senador as imputações das irregularidades e como face de uma “nova política” deve apresentar-se como tal, pois se deposita uma confiança extrema em suas funções no Senado.

Administrador, Jornalista, Professor e Pesquisador. Graduado em Administração e Comércio Exterior. Pós-graduado em Direito, Docência e Gestão Pública. Mestre em Economia pela UnB.