fbpx
Brasília
MBL fez o que sabe fazer de melhor

Maior movimento político da América Latina deixa marca no Congresso.

24/05/2019 12h50

Reportagem: Jonas Fernandes
Revisão: Kdu Sena

Nessa quarta-feira (22), o Movimento Brasil Livre (MBL) reuniu membros de 10 estados em visita ao Congresso Nacional, o objetivo: pressionar os deputados para aprovação da Reforma da Previdência. Entre os ilustres estavam: Ian Garcez (DF), Carmelo Neto (CE), Márcio Colombo (SP), Gabryel Rios (DF), Joana Figueiredo (DF); e coordenadores regionais do DF como Paulo Henrique Rocha, Ítalo Leandro, Lucas Mendes, Warlen Miller e mais cerca de 150 membros e guerreiros lutando pela reforma.

A articulação política é a palavra que definiu o Movimento no ato; parlamentares como Eduardo Bolsonaro (PSL-RJ), Izalci Lucas (PSDB-DF) e Vinicius Poit (NOVO-SP) demonstraram grande lucidez e consciência da pauta. Deputados federais Lafayette (PRB-MG), Paula Belmonte (CIDADANIA-DF) e Alexis Fonteyne (NOVO-SP) receberam o MBL e mostraram postura favorável ao diálogo.

De início, o “Jovens pela Previdência”, slogan de identificação do Movimento na manifestação, foi barrado pela Polícia Legislativa, ficando sem acesso ao Congresso Nacional e limitado aos anexos 3 e 4 da Câmara, onde havia poucos deputados, visto que a maioria deles estava em comissões. No entanto, vários parlamentares solicitaram à equipe de segurança para que o acesso fosse permitido ao MBL. Dessa forma, o Movimento teve quase completo acesso às instalações, inclusive ao congresso e ao salão verde, podendo participar da coletiva de imprensa.

Em união com o deputado federal Kim Kataguiri (DEM-SP) e o Coordenador Carmelo Neto (MBL-CE), Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) contribuiu para incentivar a reforma: “Nós 3 aqui, todos nós sabemos, somos a favor dessa Nova Previdência, é uma medida que está acima de qualquer disputa partidária ou ideológica. Então o que eu peço pra vocês é que nós temos que focar naquilo em que nós convergimos, e todos nós, trabalhando pela previdência, pressionando nossos deputados e os senadores, a gente vai conseguir isso, que a gente sabe que é o melhor para o Brasil”.

“A palavra que define o MBL neste momento é empenho, o foco em aprovar a previdência mostra o quanto são esforçados por fazer o melhor para o País.” Exaltou Ítalo Leandro, coordenador do núcleo de Sobradinho.“[…] Ontem por si só prevaleceu como uma ocupação democrática do Congresso. Nós não precisamos burlar leis, não precisamos impor uma tirania pra poder conversar com os deputados […] Eu acho que, apesar de toda tempestade que o MBL tem passado nos último dias, ontem foi algo que pode sim estar escrito na história do movimento.” Enterneceu Paulo Rocha, ex-redator do MBL News BSB e atual coordenador de Jornalismo do núcleo MBL Sobradinho.

Em um dos grupos encarregados de conversar com parlamentares estava Kdu Sena (revisor do blog do MBL Brasília). Durante as incursões, ele foi questionado por cidadãos a respeito da atuação do MBL, ele se dispôs a conversar com as pessoas para informá-las a respeito.

“Política é diálogo, tanto com cidadãos comuns quanto políticos, sejam estes adversários ou não. Sem isso, o que nos resta é violência e baixaria. Disposto a conversar com todos, o MBL segue com seu trabalho em meio a um momento difícil. Parafraseando o ilustre ministro Moro: ‘ofensas falam mais de quem xinga do que de quem é ofendido’. Temos de dar o exemplo, responder com argumentos e respeitar a todos.” declara Sena.

Correspondentes: Ítalo Leandro; Paulo Rocha e Kdu Sena.

Administrador, Jornalista, Professor e Pesquisador. Graduado em Administração e Comércio Exterior. Pós-graduado em Direito, Docência e Gestão Pública. Mestre em Economia pela UnB.