fbpx
Brasília
Brasília está entre os 10 piores sistemas de transporte público do mundo, segundo estudo

Governo afirma que levantamento é impreciso e que este ignora critérios importantes.

27/06/2019 09h46 - Por Paulo Rocha

Um estudo produzido pelo Instituto de pesquisa americano Expert Market, com informações dos 74 maiores centros urbanos do mundo, apontou que Brasília está entre os 10 piores sistema de transporte público do mundo.

Para elaborar a classificação, o instituto elaborou os seguintes critérios:

  • tempo de viagem;
  • espera para pegar a condução;
  • distância total; e
  • custo mensal do transporte relacionado ao salário médio da população.

Das 10 cidades deste triste rank, 4 são brasileiras. O Rio de Janeiro (capital) ficou com a medalha de ouro no quesito, à frente de Brasília/DF, Salvador/BA e São Paulo (capital).

  • No quesito tempo médio de espera por ônibus ou metrô, Brasília tem o segundo pior tempo no mundo: 28 minutos. Salvador ficou em primeiro, com 33 minutos.
  • No quesito tempo médio diário no transporte público, Brasília aparece com o segundo pior tempo: 1 hora e 36 minutos. Novamente Salvador ficou com o pior tempo: 1 hora e 37 minutos.
  • No quesito valor gasto em passagens, consome-se em média 5,77% da renda mensal. Entre as cidades brasileiras, apenas Rio de Janeiro e Curitiba/PR estão à frente de Brasília.


A Secretaria de Mobilidade do Distrito Federal afirmou que o instrumento utilizado como base da pesquisa “não tem precisão nem eficácia” na capital e disse que o estudo não leva em conta outros critérios importantes como:

  • integração;
  • bilhete único;
  • corredor exclusivo;
  • qualidade dos terminais;
  • treinamento dos motoristas; e
  • idade média da frota.


Fábio Damasceno, secretário de Mobilidade, declarou:

“Nós temos linhas com 100 km. As pessoas ficam mais tempo dentro do transporte, claro, porque nós temos grandes distâncias a serem vencidas”, e acrescentou: “estão comparando cidades que transportam de 50 mil a 100 mil pessoas por dia com cidades que transportam de 1 milhão a 2 milhões por dia”.


Fonte: G1.