fbpx
USPiana, católica, mãe de pet e aficionada por educação e política.
UNE: do Lula Livre ao Fora Bolsonaro

Future-se, Governo e militância estudantil

02/10/2019 17h41

A UNE outra vez convocou MAIS UMA – fucking GREVE GERAL dos “estudantes”.

Já estamos naquele momento do ano que ninguém mais leva a sério essas mobilizações promovidas por estudantes que NÃO gostam de estudar – isso é um fato – digo por experiência própria, nunca fui da UNE – fiquem calmos – mas já fui do Centro Acadêmico e da Atlética e posso falar com total propriedade que vi poucos membros de entidades estudantis REALMENTE frequentarem a sala de aula e não serem lotados de faltas e DPs.

QUAIS AS PAUTAS DA GREVE?

  • Contra o Future-se
  • Contra a CPI das Universidades Paulistas
  • Contra a precarização da contratação de professores
  • Contra o governo Bolsonaro

FUTURE-SE

Começando por essa pauta, eu como estudante procuro sempre me informar sobre algo antes de discorrer, ao contrário desses alunos e professores que leem manchetes de sites sensacionalistas e tomam apenas isso como verdade para si.

Semana passada ouvi em sala de aula que o Future-se vai TRANSFERIR A GESTÃO da Universidade pública para o setor privado – meu coração doeu, mas sim, essa é a realidade da DESINFORMAÇÃO dessa esquerda que ainda milita cega.

Com o Future-se as Universidades poderão fazer parcerias público-privadas (PPPs), ampliar a participação de verbas privadas no orçamento universitário, criar fundo de doações, ceder os “naming rights” de campi e edifícios e criar fundos patrimoniais com doações de empresas e ex-alunos para o financiamento de pesquisa e investimentos de longo prazo.

Ontem (1), o MEC criou um grupo de cinco juristas para analisar as propostas dentro do Future-se, esses juristas terão a missão de ajudar na elaboração do documento que será enviado ao Congresso Nacional.

Lembrando que a adesão da Universidade ao Future-se será facultativa: ela aceita participar se ela quiser – acho que isso não ficou claro para as pessoas que não leram o projeto e estão faltando as aulas hoje (2) e amanhã.

Não venha me falar que essa greve é pela educação, pois nesse papo eu nunca cai, mais uma vez essa luta é política, estudantes abandonando a sala de aula para fazer política – A greve é contra o Bolsonaro e isso está bem claro:

GOVERNO BOLSONARO:

Amanhã – felizmente – não estarei na av. paulista para ver novamente a marolinha da educação da UNE. Será que dessa vez o “Lula Livre” vai cair e “Fora Bolsonaro” reinar? Bom, se tem uma coisa que a organização do evento do dia 03 de outubro está fazendo muito bem é promover o governo.

Durante os 15 minutos que escutei a aula pública lá na USP, ouvi umas 10 vezes o nome dele. É, a ira está plantada no coração com o discurso: “O governo Bolsonaro é inimigo da ciência e do saber: mascara dados sobre o desmatamento na Amazônia, elimina informações do IBGE e propaga o “negacionismo” e o obscurantismo” .

Segunda-feira (30), o tão odiado por essa galera – governo, anunciou o DESCONTINGÊNCIAMENTO de R$1,990 bilhão no orçamento do MEC. A verba discricionária bloqueada de 30% cai para 15%. Esses recursos descontingenciados vão para:

  • Universidades e institutos – R$1,156 bilhão
  • Exames do INEP – R$105 milhões
  • Bolsa CAPES – R$ 270 milhões

Sério que depois do governo começar a descontingenciar segunda-feira, essa galera esta indo para as ruas contra os cortes e a suspensão das bolsas de pesquisa CAPES? Impossível que isso faça sentido para alguém.

Sou estudante da Universidade de São Paulo e tenho respeito com o dinheiro público que é investido nos meus estudos, vou utilizar este espaço aqui para estimar que mais estudantes tivessem esse carinho com o dinheiro do pagador de impostos; não demorasse 7 anos para se formar quando o período ideal é 4 e não faltasse em aula com desculpa que É PELO BRASIL – Isso é um desrespeito e uma ingratidão com o nosso dinheiro.

Vale lembrar que greve é para quem trabalha e não pra militante, ops, estudante.