fbpx
Escritor de meia dúzia de artigos, comentarista eventual do MBLNews.
Sindicalistas propõem boicote a produtos da Ford

Durante assembleia, presidente do sindicato propõe boicote aos produtos da empresa para tentar reverter decisão de fechamento

27/02/2019 21h42

Durante assembleia, presidente do sindicato propõe boicote aos produtos da empresa para tentar reverter decisão de fechamento

Em assembleia realizada nesta terça-feira, 26, empregados da Ford discutiram as ações para evitar o fechamento da unidade.

O destaque foi a fala do presidente do Sindicato dos Metalurgicos, Wagnão, que propôs uma campanha de boicote aos produtos da empresa.

O sindicalista estima que com o envolvimento dos afetados e familiares a campanha atingiria cerca de 70 a 100 mil pessoas.

“São mais de 4 mil trabalhadores e trabalhadoras envolvidos diretamente no fechamento anunciado pela Ford, mas o reflexo na sociedade pode atingir mais 24 mil empregos. Se contarmos as famílias que dependem dessas pessoas, há possibilidade que essa decisão atinja de 70 mil a 100 mil pessoas”, raciocínio.

Acredita, o sindicato, que a campanha irá pressionar a empresa a reverter o processo de encerramento da fábrica, visando atingir os resultados econômicos:

“A campanha é para forçar a reversão dessa decisão e a manutenção dos empregos desses milhares de trabalhadores e trabalhadoras, porque é só essa linguagem que os empresários entendem.”, argumentou Wagnão.

Estiveram presentes no ato o deputado federal Vicentinho (PT), Guilherme Boulos (PSOL) e Luiz Marinho (PT). Boulos criticou as mudanças na lei trabalhista. Vicentinho disse que estava faltando a sessão da câmara, cometendo uma ilegalidade. Marinho lembrou as ações na década de 90, quando houve a reversão da decisão da empresa.

O perfil do Twitter de Lula, o ex-presidente, que está preso, sugeriu ação contra a empresa, “Uma das formas dos trabalhadores da Ford lutarem contra o fechamento da fábrica em São Bernardo é pressionar o governo a proibir a importação de produtos da empresa fabricados em outro país.”.

A empresa, porém, mantém o processo de desativação, tendo se reunido com o governo estadual, que propõe a busca de interessados na aquisição da planta.