Estudante interrompido, músico frustrado, cozinheiro irregular e fundador (e membro mais controverso) do MBL - Movimento Brasil Livre.
Recado para Maiara e Maraísa

Covardia da classe artística gerou essa situação

22/01/2020 12h37

O autoritarismo do politicamente correto chegou ao mainstream artístico e ficou. Foi que vimos no artigo cometido pelo patético Anderson França, para a Folha de São Paulo.

Nele, além de cobrar dos artistas do funk, axé e sertanejo uma postura “crítica” com relação ao caso Alvim, o articulista agregou uma curiosa gravura onde as cantoras Maiara e Maraísa ostentavam uma braçadeira nazista enquanto performavam para seu público.

Em vídeo, o jurista Tiago Pavinatto, doutor em direito pelo USP, aborda a covardia de uma classe artística que se submeteu aos desígnios do politicamente correto e aceitou — bovinamente — todas as vezes em que os autoritários os obrigaram a se posicionar.

O recado para as cantoras goianas — e nossos artistas como um todo — foi duro e direto.