fbpx
Escritor de meia dúzia de artigos, comentarista eventual do MBLNews.
MBL pedirá privatização da SEMASA em audiência pública

A Câmara convocou audiência pública para esta segunda-feira (18) para discutir a crise de fornecimento de água

18/02/2019 16h25

A Câmara convocou audiência pública para esta segunda-feira (18) para discutir a crise de fornecimento de água na cidade

Há semanas os cidadãos de Santo André tem sofrido com problemas de fornecimento de água. A crise expôs as graves deficiências no sistema que é administrado pela autarquia municipal SEMASA – Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André.

Os descontentamento da população chegaram ao paço municipal. O MBL de Santo André se reuniu com parlamentares no dia 05 de fevereiro, cobrando explicações e soluções. No dia seguinte, durante a primeira sessão legislativa do ano, um grupo ocupou o plenário da câmara e os manifestantes realizaram protestos no local que causaram tumultos e interrupção da sessão.

Em razão da continuidade dos problemas no fornecimento de água, a câmara convocou uma audiência pública para discussão do tema para esta segunda-feira (18), às 19 horas.

O MBL local vai comparecer defendendo a privatização do sistema que atualmente é gerido pela SEMASA.

Márcio Colombo, coordenador do MBL, destaca que o atual modelo descentralizado apresenta a ineficiência da autarquia típica de máquina pública que é incapaz de manter o nível dos serviços satisfatoriamente, com constantes falhas no abastecimento de água aos consumidores por toda cidade. Por outro lado, aponta os elevados custos aos munícipes para manutenção injustificável dessa estrutura e a instrumentalização dos cargos em caráter político. Com tudo isso, a SEMASA possui um dívida R$ 4 bilhões aproximadamente com a SABESP, que torna a manutenção do sistema inviável.

Márcio Colombo propõe como solução a privatização do sistema à SABESP, que já é credora do passivo da SEMASA e presta serviços às prefeituras, sem necessidade de um intermediador que consome tantos recursos dos cofres municipais. Aponta casos bem sucedidos como o município de Diadema, que efetuou a mudança em 2013, com melhorias no serviço aos munícipes e São Bernardo do Campo que recentemente anunciou a renovação da tubulação de água.

O Repórter Diário noticiou a renovação da tubulação em parceria com a SABESP para combater as perdas estimadas em 1,4 bilhões de litros.

A SABESP é empresa de economia mista, cujo acionista majoritário é o governo do estado de São Paulo, que detém a concessão dos serviços em 363 municípios paulistas.