fbpx
USPiana, católica, mãe de pet e aficionada por educação e política.
Literatura, livro e leitura: mais uma canetada do presidente.

Quando não temos mais espaço para “prestar apoio” queremos começar a ver resultados.

24/07/2019 17h27

Para iniciar nossa conversa de hoje, muitos já devem conhecer, outros ainda não, esse senhor de aparência simpática ai da foto é nosso ministro da Cidadania – Sr. Osmar Terra. Médico, gaúcho e político, Já foi prefeito, ministro do ex-presidente Temer e agora ministro da Cidadania do Brasil. Mas você já deve estar se perguntando qual é o motivo para falar dele, né?!

Então vamos lá, nesta quarta-feira (24), foi publicado no Diário Oficial da União um decreto assinado pelo presidente e por Osmar Terra extinguindo o Conselho CONSULTIVO do Plano Nacional do Livro e Leitura (PNLL), e diminuindo o número de representantes da sociedade civil no Conselho DIRETIVO do PNLL, este Conselho era composto por dois representantes e agora apenas por um. As “figuras” que compõe esse time são indicadas por editores e autores de livros (bem meritocrático). O Conselho era formado por membros do Colegiado Setorial do CNPC – Conselho Nacional de Política Cultural.

Como nosso assunto são os cargos extinguidos, vou te mostrar a estrutura dos Conselhos + Coordenação do Plano:

Conselho Diretivo:

  • 2 representantes do MinC
  • 2 representantes do MEC
  • 1 representante dos autores
  • 1 representante dos editores de livros
  • 1 representante de especialistas em leitura

Coordenação Executiva:

  • 1 Secretário Executivo
  • 1 representante do MinC
  • 1 representante do MEC
  • 1 representante da Fundação Biblioteca Nacional
  • 1 representante de entidades representativas dos bibliotecários que compõem a Câmara Setorial do Livro

Conselho Consultivo Extinto – é o próprio Colegiado Setorial do Livro, Leitura e Literatura.

O Plano foi criado em 2006 com o OBJETIVO DE ESTABELECER DIRETRIZES PARA UMA POLÍTICA PÚBLICA VOLTADA À LEITURA E AO LIVRO NO BRASIL – outro daqueles planos lindos no papel do governo Dilma Rousseff.

Como já falei em outros textos: sobram as diretrizes e promessas e faltam as iniciativas para retirar o Brasil dos últimos lugares do PISA.

As diretrizes abordadas no plano buscam democratizar o acesso aos livros, valorizar a leitura, incrementar a produção intelectual e o desenvolvimento da economia nacional (lembrando que o plano é de 2006 – 13 anos depois temos mais um exemplo de diretriz que não funciona). São quatro eixos que orientam a organização do Plano:

  • Eixo 1 – Democratização do acesso
  • Eixo 2 – Fomento à leitura e à formação de mediadores
  • Eixo 3 – Valorização institucional da leitura e incremento de seu valor simbólico
  • Eixo 4 – Desenvolvimento da economia do livro

Antes de construir uma diretriz para leitura e livro, o governo deveria ter pensado em ENSINAR A CRIANÇA A LER E ESCREVER – esse é um dos problemas gritantes na nossa educação – ALFABETIZAÇÃO. O Brasil tem mais de 11,3 milhões de pessoas com mais de 15 anos analfabetas, segundo o IBGE em junho de 2019. Em 2018 só 13 estados atingiram a meta de redução do analfabetismo estipulada em 2015. Lembrando que a meta final do Plano Nacional de Educação (PNE) é ERRADICAR o analfabetismo até 2024.

Visivelmente assim como o PNE o PNLL é um daqueles planos que você faz na virada do ano – emagrecer, começar a praticar um esporte, encontrar o amor da sua vida – planos feitos para não serem cumpridos.