fbpx
USPiana, católica, mãe de pet e aficionada por educação e política.
Educação básica: compromisso com o Brasil?

De “boas intenções” o inferno está cheio, repaginar VELHOS programas da educação trarão NOVOS resultados?

19/07/2019 12h58

Até parece que estou dando CTRL C + CTRL V nos textos meus anteriores aqui do blog, mas ninguém troca o disco… a frase do ano depois do “Precisamos aprovar a Reforma da Previdência” é “Escolas-militares para melhorar o ensino no Brasil”.

Que nosso país é cheio de planos, metas e objetivos nós já sabemos e pensando nisso mais uma carta de compromisso foi lançada pelo MEC, mas resolveram dessa vez finalmente focar no problema que já estamos cansados de ver e não fazer nada sobre: qualidade da EDUCAÇÃO BÁSICA brasileira.

O COMPROMISSO NACIONAL PELA EDUCAÇÃO BÁSICA traz objetivos para área até 2022 e metas gerais para os próximos 12 anos. Grande parte da carta é uma repetição ou melhoria de programas de gestões anteriores, não vamos nos iludir também achando que essa carta é inovadora, todos os governos prometem construir creches, melhorar a carreira dos professores e a qualidade do ensino.

Alguns dos principais pontos foram:

  • BRASIL REFERÊNCIA DA AMÉRICA LATINA EM EDUCAÇÃO BÁSICA ATÉ 2030 – Definitivamente essa é minha meta favorita (ironia por favor), como ninguém tinha feito um plano deste antes? Caramba… Quando falamos em “ser referência em algo” eu gosto de citar rankings e números, pois só eles trazem a segurança que o assunto merece. No último relatório da OCDE (farei um texto só falando disso pois é um tema muito importante) os resultados do PISA 2015 mostraram que o Brasil está atrás no ranking internacional de: Colômbia, México e Uruguai (América Latina) e o detalhe que não pode faltar é que estes países tem um custo médio por aluno MENOR que o Brasil (INVESTIMENTO X QUALIDADE X GESTÃO).
  • CRECHES: construir 4,9 mil creches até 2022 – lembra que eu falei dos programas dos governos anteriores? Então, essa pauta é uma reestruturação do programa Pró-infância.
  • NOVO MAIS EDUCAÇÃO: outro programa reutilizado, mas que visa aumentar a carga-horária dos colégios públicos  buscando “diminuir a evasão e melhorar indicadores educacionais” – esse ponto me preocupa muito, acho que as pessoas que fazem essas metas nunca devem ter frequentado uma escola pública e sabem o quão o método de ensino e o ambiente são desestimulantes, se um adolescente não sente motivação de estar na escola em meio período, quem dirá mais horas do dia ainda (lindo porém é só a ponta do Iceberg).
  • ESCOLAS CÍVICO-MILITARES: implementar 108 escolas até 2023, uma para unidade da Federação, tendo o ritmo de 27 escolas/ano.

Quando falamos em educação é bom sempre lembrar que são medidas de impacto à longo prazo, e que o planejamento feito pelo MEC é de médio prazo incluindo ensino infantil, fundamental, médio, profissional e também formação de professores. Weintraub falou, falou e não disse da conclusão do PNE (Plano Nacional de Educação), muito menos de Fundeb, o grande motivo da educação não melhorar é que cada governo que passa pensa na sua gestão e não em melhorar o país, visivelmente as pautas da área foram adaptadas aos beliefs do governo, mas ele acaba em teoria em 2022, o PNE em 2024 e será que farão algo sobre ou só vão deixar essa bomba explodir na mão do próximo? Quem é que mais sofre com tudo isso? A criança que depende do ensino público para estudar. Vamos alterar o PNE para fazer ele caber dentro do que querem ou concretiza-lo?

Enquanto mais da metade dos brasileiros de 25 anos não terminaram o ensino básico e 43% dos municípios não investem o satisfatório na área, o governo que trouxe na campanha o discurso de investir mais em educação básica e menos em educação superior, finalmente fez planos, mas daquele jeitinho, sem deadline definida. Será que o governo “Menos Brasília, mais Brasil” tomou tento como diz minha vó e agora vai? Sigo torcendo para que SIM.

Na minha terra, COMPROMISSO é algo que cumprimos, espero que a vergonha do PNE não se repita, porque, como eu já disse anteriormente, de “boas intenções” o inferno está cheio.