fbpx
USPiana, católica, mãe de pet e aficionada por educação e política.
BolsoDoria: O divórcio

Falamos de “ejaculação precoce” quando deveríamos falar de IMPOTÊNCIA GOVERNAMENTAL

04/09/2019 15h06

Mais uma semana que estou aqui conversando com vocês sobre um comentário – infeliz e desnecessário – do nosso presidente Bolsonaro, semana passada a “briguinha” foi com o Macron e sua primeira-dama. Já hoje temos outra protagonista: Bia Doria, primeira-dama do estado de São Paulo,
Presidente do Conselho do Fundo Social de SP e artista plástica.

Em entrevista para Folha de S. Paulo, o presidente Jair Bolsonaro disse que o governador de São Paulo, João Doria – que tenta reerguer o partido como o “novo PSDB” – não tem chances de vencer as eleições presidenciais em 2022 e utilizou as seguintes expressões para se referir ao tucano: “ejaculação precoce“; “não tem apoio popular” e “talvez em 2026“.

Bom, eu como gerontóloga em formação não tinha falado AINDA em ejaculação precoce na minha vida após a entrada na faculdade, apenas em impotência sexual – que atinge mais de 25 milhões de homens acima dos 18 anos em todo Brasil – Os envolvidos neste papo deveriam estar mais preocupados com a segunda opção que eu citei do que com a primeira – afinal, ambos já são 60+

A primeira-dama do estado de São Paulo – Bia Doria – reagiu as declarações do presidente sobre a possibilidade de seu marido concorrer nas próximas eleições presidenciais:

“Como mulher, mãe e primeira-dama do Estado de São Paulo, repudio com veemência as declarações do Presidente da República, que usa expressões chulas, que ferem e desrespeitam a família brasileira e a importância do cargo que ocupa”

Pois é, meus caros, a boca foi aberta para falar besteira, mas que serviu para expor – mais uma vez – o homem que o país fez presidente, eleito com uma grande expressividade por aqueles que viam a necessidade de resgatar os bons costumes, sem falar na quantidade de evangélicos, conservadores e militares que apoiaram o governo Bolsonaro… talvez o arrependimento já tenha começado a bater em vários desses nichos de eleitores.

E falando em eleitores essa entrevista serviu não apenas para mostrar a insegurança do presidente quanto as próximas eleições – afinal quem está seguro do sucesso não precisa atacar esdruxulamente o seu adversário – mas mostrou as reais intenções do presidente em se candidatar para reeleição e – de maneira irônica – que João Dória deveria pensar TALVEZ nas eleições de 2026.

As trocas de farpas entre o casal – que um dia já foi shippado de BolsoDoria – não param por aqui, o presidente já acusou Doria de “mamar” nos governos petistas e pela compra de um jato com empréstimo do BNDES.

Na segunda feira (02/09/2019), a Pesquisa Datafolha mostrou mais uma queda na popularidade do presidente Jair Bolsonaro, o percentual de reprovação subiu de 33% para 38% em relação a pesquisa feita em julho deste ano. Para o comportamento do presidente a rejeição também aumentou 7 pontos em relação a julho para 32% – ele não se comporta de forma adequada para o cargo em nenhuma ocasião. O percentual de entrevistados que afirmam não confirmar no que o presidente diz é: 44% nunca acreditam no que o presidente fala e 36% confia às vezes.

Para fechar falando das eleições que estão mais próximas de nós – as municipais – Bolsonaro ainda não fechou apoio a candidatos, mas como o homem gosta de provocar, não deixou de citar a Deputada Federal Joice Hasselmann (PSL-SP) – “A Joice está com um pé em cada canoa” – pois é, será que a deputada vai deixar a canoa virar?

Se Doria está realmente sendo precoce, como disse o presidente, fica o questionamento para você leitor. Eu, Júlia, vejo projetos bem estruturados sendo feitos no estado de São Paulo, secretárias como a de Educação fazendo um excelente trabalho com o ex-ministro Rossieli Soares no comando, enfim, se pensar no futuro fazendo um bom trabalho no presente for pecado… o inferno não deve estar tão cheio assim. Já o presidente deveria se atentar a sua popularidade, pois até os que um dia já defenderam, começaram a repensar, o governo não está de tudo ruim, afinal um time de bons ministros foi montado.

Será que em 2022 teremos um “Brasil acima de tudo, Deus acima de todos – parte 2” ou um “Acelera Brasil”? – A frase do Cunha cabe perfeitamente depois deste texto: “Que Deus tenha misericórdia dessa nação”.

Fica a indicação de um vídeo para vocês:

Até a próxima!!!